Uma equipe formada por especialista de diferentes áreas para tratar distúrbios de deglutição é o segredo para alcançar bons resultados. Sendo assistido por otorrino, psiquiatra, neurologista e fonoaudiólogo, o paciente tem um diagnóstico mais completo e, como isso, maiores chances de melhora. Nossos especialistas falaram mais sobre o assunto

 

 

Em um bate papo com nossos especialistas, coletamos informações sobre o tratamento da disfagia, doença que se caracteriza pela dificuldade em engolir, e que atinge 60% dos idosos que sofrem de problemas como câncer e AVC. Acompanhe:

 

Como funciona o trabalho multidisciplinar no processo de reabilitação da disfagia?

 

É necessário tentar determinar a causa da disfagia (neurológica, mecânica, iatrogênica), topografar onde ela acontece (aparelho estomatognático, orofaringe, faringe ou esôfago) e, então, definir as terapias necessárias e efetivas para a reabilitação do indivíduo.

 

Para isso, várias especialidades trabalham juntas: o neurologista e o psiquiatra (distúrbio de origem central, comportamento, desordens de saúde mental); otorrino e fonoaudiólogo, caracterizando melhor onde estes distúrbios acontecem.

 

Dessa forma, é possível definir, por exemplo, a via de entrada e consistência dos alimento, além de manobras eficazes para assegurar uma alimentação e hidratação saudáveis, nutritivas e sem riscos para o paciente.

 

O que pode acontecer se essa equipe não trabalhar em conjunto?

 

Sem esse aparato multidisciplinar, os esforços isolados para a melhora do paciente não evidenciam resultados satisfatórios. Até porque só reabilitar o paciente, sem cuidar das causas do problema, muitas vezes progressivas, não faz sentido.

 

O mesmo acontece com o fato de dar o diagnóstico correto e cruzar os braços para um trabalho de reabilitação.

 

Quais são os papeis do Psiquiatra, Neurologista, Otorrino e Fono no tratamento da disfalgia?

 

  • O psiquiatra trata a saúde mental, quadros demenciais, humor e cooperação do paciente.
  • O neurologista trabalha com o diagnóstico e tratamento das causas centrais, que podem envolver tumores, AVCs e doenças neurodegenerativas.
  • O otorrino realiza, em conjunto com o fonoaudióloga, o exame da videoendoscopia da deglutição. Nesse exame, faz-se a filmagem da deglutição (com auxílio do aparelho de nasofibrofaringolaringoscopio) em tempo real, testando as três principais consistências dos alimentos (líquido, pastoso e sólido) e verifica-se em quais consistências está ocorrendo problemas para o paciente deglutir. Além disso, com auxílio da fono, durante o exame já se pode testar manobras para ajudar nessas dificuldades e verificar em tempo real se as mesmas são efetivas.

 

  • Por fim, a Fono trabalha na definição da via de alimentação segura para o paciente e consistências a serem evitadas por risco de aspiração (engasgos), além de manobras para deglutição mais efetiva e trabalho de reabilitação neuromiofacial do paciente.

 

A disfagia é um problema grave e o manejo inadequado da mesma contribui para aumento da morbimortalidade nesses pacientes. Atualmente, com o envelhecimento da população, esses quadros estão cada vez mais comuns. Todavia, poucas equipes têm conhecimento e dominam o tema para conduzir e ajudar esses pacientes e famílias. Diante disso, insistimos na importância da divulgação desse trabalho para a população.

 

Aqui na Clínica Insight o paciente encontra essa equipe multidisciplinar, pronta para atender o paciente de forma global e humanizada. Para saber mais, ligue para: (61) 2099-1234 ou mande uma mensagem no whatsapp (61) 99912-0606.